English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

VOCAÇÃO

Já pensou alguma vez que você é chamado a se comprometer com o Reino de Deus aqui na terra? Já pensou em comprometer-se com o próximo de algum jeito particular? Já pensou que esse jeito pode ser o
do Carmelo?


sexta-feira, 3 de abril de 2015

DOMINGO DA PÁSCOA - RESSURREIÇÃO DO SENHOR JESUS



“Eu creio num mundo novo, pois Cristo ressuscitou!”
Chegamos à festa que preparamos com tanto empenho nas últimas seis semanas. Trazemos em nós a memória agradecida da aliança realizada na última ceia e nas muitas e solidárias ceias penúltimas. Trazemos nos olhos o sinal luminoso das mãos perfuradas e dos braços abertos em forma de cruz, prontos a abraçar a humanidade inteira. Partilhamos com Madalena o vazio de uma ausência querida. Trazemos na mente e no ventre o trabalho das mulheres e homens, comunidades e movimentos que, no escuro da noite, prepararam tecidos e perfumes para não permitir que a vida se perca.
A Páscoa celebra o reconhecimento de Jesus – o profeta perseguido e assassinado, o irmão e servidor da humanidade – como Filho de Deus. Proclama que nele Deus vence todas as formas de morte, desde a morte física até a morte progressiva e massiva que resulta das estruturas iníquas e dos poderes despóticos. Anuncia que Jesus, considerado uma pedra sem utilidade e problemática na manutenção do mundo, foi considerado por Deus como pedra fundamental da construção de um mundo novo. Afirma que nossa esperança dance na corda bamba, é teimosa e tem futuro.
A Páscoa de Jesus de Nazaré e dos cristãos celebra as milhares de possibilidades escondidas na vida de cada pessoa e na história da humanidade. Afirma que a última palavra não será sempre do discurso frio daqueles que impõem sua injusta ordem e mandam calar os profetas. Proclama que a ação realmente eficaz e grávida de futuro é aquela que estabelece a absoluta superioridade do outro necessitado. Evidencia que a direção certa e o sentido da vida está na atitude permanente de serviço,  no fazer-se semente de uma outra vida, tão possível quanto urgente.
E essa ressurreição não é algo que se manifesta apenas depois da morte. Paulo nos surpreende afirmando que os cristãos já foram ressuscitados! Ele se refere ao dinamismo pascal do nosso batismo, que possibilita e pede a passagem de uma vida individualista para uma vida plena e solidária. “Procurem as coisas do alto”, exorta Paulo. E isso significa assumir um estilo de vida centrado no amor, no serviço e na partilha, na busca de uma segurança que tenha a justiça como mãe.  Opecado ainda não perdeu totalmente sua influência, mas está mortalmente ferido, e não domina mais sobre nós.
A ressurreição de Jesus não é algo que se impõe com força de evidência, e não vem acompanhada de manifestações potentes. O dia já havia amanhecido, mas na cabeça de Maria Madalena e dos apóstolos a experiência do fracasso pairava como escuridão. Só muito lentamente eles foram percebendo que os lençóis estendidos não estavam lá para cobrir um morto, mas para acolher as núpcias de uma nova aliança de Deus com a humanidade. O sudário sim, depois de cobrir a cabeça de Jesus, agora estava à parte e envolvia totalmente o templo, lugar onde a morte fora tramada e decidida.
Lembremos que a Páscoa de Jesus de Nazaré inaugura uma Nova Criação. Ressucitando e trazendo no corpo as marcas dos pregos e da lança, ele é o Homem Novo, o Novo Adão, o Irmão primogênito e solidário de todos os homens e mulheres. Os discípulos e discípulas se reúnem em torno de sua memória e organizam comunidades que continuam seu sonho e seu caminho. E as pessoas acolhidas nestas comunidades estabelecem vínculos que formam um Novo Povo de Deus, a comunhão dos grupos e movimentos de servidorees. De gente que luta por vida abundante para todos.
Na entusiasmada catequese que desenvolve na manhã de pentecostes, Pedro sublinha que Jesus andou por toda parte fazendo o bem e agindo sem medo, apesar da violência que havia levado João Batista à morte. Enfatiza que Deus estava com ele, inclusive no vazio e escuro da cruz, quando parecia havê-lo abandonado. Ensina que Deus o ressuscitou dos mortos, e transformou em juiz aquele que fora réu de morte. E lembra que os discípulos e discípulas, apesar da dificuldade de acreditar nele e da permanente tentação de abandoná-lo, são constituídos testemunhas e pregadores dessa Boa Notícia.
Jesus de Nazaré, filho amado de Deus, irmão querido da humanidade! Aqui estamos reunidos para festejar contigo, para celebrar a festa dos pequenos. É uma festa que não serve os bens roubados aos fracos e não ostenta a indiferença de quem esqueceu que a luta continua. É com alegria que descobrimos que o mistério da vida ressuscitada se dissemina em tantas pessoas e grupos, inclusive naqueles que não te reconhecem explicitamente. Por isso, celebramos nossa páscoa na tua páscoa, e saímos apressados para testemunhar que a vida é mais forte que a morte e que o amor é imortal. Assim seja! Amém!

Pe. Itacir Brassiani msf

2 comentários:

luís rodrigues coelho Coelho disse...

O nosso mundo novo mão é este que a vida nos dá. O nosso mundo está para alem do que os nossos olhos vêem.
Que Cristo Ressuscitado nos encha de bênçãos mas sobretudo a de sabermos ver e merecer o Seu Grande Amor.
BOA PÁSCOA

Luz13 disse...

Oi, GOSTEI DO BLOG! DOMINGO DE PÁSCOA – RENASCIMENTO
Não me importa se és Ateu, ou que religião professes, mas sim que como ser humano vivas na luz , lembrando que seja quem for, somos filhos do criador.
E que agora, buscando a verdade, justiça e lucidez em você, haja mais luz a sua volta.
O seu direito termina aonde começa o do outro, o mundo terá paz quando estivermos em paz. Desejo com toda força do meu ser, que o ser humano tenha conseguido crescer. Eliane Maciel “ALINE”. www.facebook.com/deolho.nomundo